A Dieta de … Fred Gomes

O convidado e os seus objectos
O Fred, quando era miúdo, acreditava que era o menino da lágrima, gastou um rolo inteiro a fotografar o seu próprio quarto e fazia programas de rádio num gravador a pilhas. Nasceu em Coimbra, estudou em Tomar e Istanbul. Mudou-se para o Porto com plano de por lá viver um ano. Seis anos depois sabe que não há outro sítio que queira chamar casa. Entre o cão, os blogs, as fotografias, as viagens, os desenhos, os croissants, a música e os amigos, os seus dias são cheios e felizes.

 

O que os portugueses têm de melhor
Em pleno momento de crise, os Portugueses são os mais fatalistas mas também os primeiros a arregaçar as mangas e a fazer mais e melhor. O espirito colaborativo torna-nos únicos e leva-nos para sítios onde ninguém esperaria que chegássemos. Parámos de conquistar e descobrir o mundo numa caravela, agora fazemo-lo com criatividade, perseverança e trabalho árduo.

Local que mais o surpreendeu
Istambul terá para sempre um lugar no meu coração. Uma cidade com 16 milhões de habitantes onde se funde a cultura Europeia e a Asiática resulta num caos organizado sem igual. Quem vive por lá sabe que, ao contrário da imagem que a maioria dos europeus tem da Turquia, as pessoas recebem-nos mais vezes de sorriso e espirito apaziguador do que de cara feia e conflituosa. Tal como a sua língua, que é oriental mas formada por caracteres ocidentais, também nas ruas, comércio e cultura se sente o lado tradicional Turco com uma influência Europeia. Eu diria que por lá se encontra o melhor de dois mundos.

Maior aprendizagem profissional
Aprender a dizer não. Dizer sim é fácil e pode soar positivo, mas a verdade é que são os “nãos” nas alturas certas que definem o percurso de uma carreira e nos ajudam a chegar às metas que traçamos.

Maior desafio profissional à data
O momento em que decidi saltar de um trabalho das 9h às 5h para trabalhar em casa das 8h às 8h. Foi o passo certo para mim e para a minha carreira, mas ter trabalhar no local onde é suposto descansar troca as voltas a qualquer um. O sofá passa a ser a secretária 2.0, a secretária a mesa de jantar e as horas de sono são contadas a dedo. Quase 5 anos depois de ter tomado esta decisão posso dizer que foi a decisão acertada. Depois de arrumar a casa e a cabeça descobre-se que os espaços podem co-existir de maneira equilibrada e a minha veia portuguesa (aquela da criatividade, perseverança e trabalho árduo) ajuda-me a descobrir mais um bocadinho do mundo, todos os dias.

Pessoas que o inspiram
Eu tenho a sorte de me rodear de amigos, colegas de trabalho e até clientes que me inspiram todos os dias. Não preciso de ir muito longe nem olhar para cima para encontrar inspiração, sou um felizardo.

Se pudesse fazer uma pausa de um ano, o que gostava de aprender
Uma pausa de um ano serviria para viajar. Aprender na rua, com as pessoas, com as culturas e sabores do mundo é mais valioso que qualquer escola ou diploma.

Coisas pelas quais se perde
É quase impossível viajar sem trazer peças de estacionário. Cadernos, canetas, lápis, blocos, post-its… A colecção é demasiado grande para a quantidade de gavetas disponíveis.

A história do objecto
A reflex da Praktica foi a minha primeira câmara a sério. Comprei-a numa feira de rua, em Coimbra, com 12 anos. O euro tinha acabado de entrar em circulação, as conversões ainda não eram muito certas e custou-me meia mesada, 20€. Queimei vários rolos até perceber como se trabalhava com o fotómetro mas foi ali que se criou o bicho da fotografia e me comecei a encontrar enquanto criativo. Nunca a uso para trabalho, é demasiado especial. Esta Praktica só tem direito a criar por diversão.

Presença da Rede
Pode acompanhar o Fred Gomes diariamente no We Blog You e no Instagram.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *